segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Mundial de Handebol Feminino- Jogos de Domingo das Oitavas e Prévia dos Jogos dessa Segunda-feira

Jogos desse domingo (15/12)

Alemanha 29 x 21 Angola

As africanas até tentaram se manter coladas no placar frente as alemãs, com o primeiro tempo terminando 13 x 10 para as europeias e com expectativa de um segundo tempo equilibrado. Porém, logo no início do segundo tempo a Alemanha fez 3 gols contra nenhum de Angola, o que deixou a diferença em enorme 6 gols. Até o final da partida o jogo foi apenas administrado, e a vantagem foi até aumentada ficando 29 x 21 no final da partida. Laura Steinbach (ALE) com 6 gols e Marcelina Kiala (ANG) com 8, foram as artilheiras do jogo.

Dinamarca 22 x 21 Montenegro


E o adversário da Alemanha nas quartas de final será a Dinamarca, que em um jogo muito equilibrado contra Montenegro desde o início até o fim (primeiro tempo terminou 12 x 11 para Montenegro), conseguiu surpreender aquelas que são as atuais vice-campeãs olímpicas, através de um jogo muito pesado na defesa (fato que marcou a atuação de ambas seleções). Katarina Bulatovic até tentou ajudar a levar sua seleção as quartas fazendo 7 gols,  porém o dia era da Dinamarca, muito pelo fato de as goleiras fazerem um porcentual de 42% de bolas salvas. L.Katherine Burgaard (DIN) com 6 gols, e a citada acima Bulatovic de Montenegro, fez 7 gols.

Polônia 31 x 29 Romênia


Um jogo absolutamente fantástico, uma reação que com certeza entra para a história do handebol polonês. O jogo parecia totalmente resolvido, com o primeiro tempo terminando 17 x 13 para as romênas, e no segundo tempo faltando mais ou menos uns 15 minutos para o término do jogo a diferença era de 5 gols, a romena C.Georgina Naegu jogava muito (10 gols e artilheira do jogo) e assim parecia sacramentada a vitória da Romênia. Porém a partir daí se iniciou uma reação incrível da Polônia, jogando de forma quase perfeira até o final da partida, e empurrada principalmente pelo trio Wojtas, Gbzyb, Kulwinska (9, 7 e 6 gols no jogo respectivamente), a Polônia fez o que parecia improvável, virou a partida, e garantiu a classificação para as quartas de final.


França 27 x 19 Japão

(Francesas comemoram depois do sufoco que levaram na partida)

Parecia que teríamos uma super zebraça já no primeirodia das oitavas de final do mundial, só parecia. O primeiro tempo (FRA 12 x 9 JAP) foi muito truncado, muitos erros, equipes se estudando e goleiras salvando bastante bolas, e essa diferença de 3 gols só se abriu no final da etapa, quando em superioridade numérica as francesas conseguiram engatar bons ataques e abrir diferença no placar. Porém essa vantagem logo acabou ao se passar os primeiros instantes do segundo tempo, quando o Japão voltou com tudo e empatou. Até os 15 minutos do segundo tempo ainda "tivemos jogo", com o Japão até liderando em certos momentos, porém a partir daí parece que o gás japonês acabou, a França foi aumentando a diferença gol após gols, e no final tivemos essa larga diferença de 8 gols, mas que, não traduz o que foi a tônica do jogo nem o sufoco que a França tomou. Parece que falta opções no banco para o Japão sonhar mais em grandes competições, pois o time vai bem até um certo ponto, mas falta consistência até o final da partida, muito pelo cansaço e pelas reservas que entram que não mantém o mesmo ritmo, mesmo assim, a evolução do país é grande no handebol. A artilheira francesa no jogo foi Nina Nijtam Kamto com 5 gols, mas o que marcou foi o revesamento de quem fazia os gols para a França, com grande quantidade de jogadoras marcando e distribuindo bem a quantidade, por parte do Japão a história é parecida, 5 gols para Shio Fuji e Yuko Arihama.


Prévia do que serão os jogos dessa segunda-feira (16/12)

Hungria x Espanha (Segunda, 14:30)

Este é um dos jogos que mais prometem nas oitavas, tanto em equilíbrio como em qualidade das seleções. Tudo bem que a Hungria já viveu momentos bem melhores que os atuais, possuindo 9 medalhas em mundiais (sendo um ouro, em 1965) mas não sobe ao pódio desde 2005 quando ganhou o bronze; em Olimpíadas o país também tem tradição, com 3 medalhas na história (uma prata e dois bronzes), mas desde Sidney 2000 não freqüenta o pódio. Por outro lado, a Espanha vive um grande momento, é atual bronze nas Olimpíadas e no mundial (os melhores resultados da história do país),e assim, pode ser considerada uma nova potência do cenário do handebol. A partida certamente provavelmente será marcada pelo duelo entre a armadora húngara Anitta Gorbicz e a goleira Silvia Navarro da Espanha, que mesmo possuindo baixa estatura, realiza defesas incríveis. Mas se engana quem pensa que a Espanha só tem a goleira como destaque, pois suas jogadoras são muito atléticas e com muita qualidade. Para passar para as quartas botaria minhas fichas na Espanha, mas com a Hungria fazendo jogo duro, e se assim for, muito provavelmente se repetirá o duelo das quartas de final do último mundial entre Espanha x Brasil (se crê que o Brasil vencerá a Holanda nas oitavas, e que assim seja !!!!).


Brasil x Holanda (Segunda, 15:00)

(Duda Amorim, uma das estrelas destaques da seleção no mundial)

A Holanda não figura entre as potências mundiais, sendo coadjuvante no cenário europeu, conseguindo como melhor colocação em mundiais um 5° lugar em 2005, em 9 aparições na competição. Já no campeonato europeu surpreendentemente seu histórico é pior, com 5 europeus jogados, e o melhor resultado foi um 8° lugar em 2010. Para esse mundial as holandesas vieram com a moral lá em cima, derrotando na repescagem da Europa a poderosa Rússia, tão forte em cenário mundial e olímpico.
O Brasil esta com tudo, líder de seu grupo, invicto e com um grupo que está voando, assim vem como amplo favorito pra esse confronto. Creio que a maioria sabe que a melhor participação brasileira em um mundial foi o 5° lugar quando jogamos em casa em 2011, e esse pódio está batendo na trave e sendo perseguido há tempos, seja em mundial ou na Olimpíada de Londres, quando perdemos nas quartas e ficamos em 6°. Parece que finalmente chegou a hora, é o momento crucial para que essa geração não perca a motivação e siga até Rio 2016, e como já foi dito por algumas jogadoras e pelo técnico Morten Soubak, nenhuma seleção que disputa medalha surge “do nada”, sem ter batido na trave pro pódio em edições anteriores. Se essa teoria for regra, chegou nossa hora? Para a partida dessa segunda, como disse, somos favoritos e devemos jogar impondo ritmo forte desde o início, visto que a Holanda é uma seleção inexperiente em grandes competições, e pode sentir caso esteja atrás do placar, mas, também alguns cuidados devem ser tomados, como não tomar tantas exclusões de 2 min e não desperdiçar chances claras, afinal em mata-mata a história é outra, e vacilos não são toleráveis.


Noruega x Rep.Tcheca (Segunda,17:15)

Esse é outro jogo onde é difícil vermos zebra, as norueguesas são amplas favoritas ao confronto, vem do ouro olímpico no ano passado (o bi-campeonato seguido), e do ouro no último mundial (também foram campeãs em 1999), na fase de grupos desse mundial passaram bem, invictas e 100%. Já a Rep.Tcheca, junto com a Holanda são as européias mais fracas do mundial, antes das oitavas passaram em 4° no grupo que tinha Alemanha, Hungria, Romênia, Tunísia e Austrália, perdeu das européias e venceu as restantes passando de fase, porém agora a realidade é outra, e uma vitória sobre as norueguesas é muito, mas muito improvável.
Coréia do Sul x Sérvia (Segunda, 17:45)
As sérvias donas da casa terão uma pedreira para se manterem vivas na competição, a Coréia do Sul disputa (atualmente) com o Brasil o posto de melhor seleção não-européia, e o nível de ambas é lá no alto. No ano passado as asiáticas foram 4° lugar em Londres, enquanto isso, a Sérvia assistiu em casa suas rivais montenegrinas conquistarem a prata, por isso, desejam medalhar nesse mundial para afastar a sombra de que o país vizinho (e pouco tempo atrás território único de “Sérvia e Montenegro”) é superior no esporte. Porém, em minha opinião não vai ser desta vez não, as coreanas são frias, não se abalam com o calor da torcida adversária, e também estão buscando melhorar a posição do mundial passado, onde foram eliminadas por Angola nessa mesma fase, e claro, possuem tradição de 2 ouros, 3 pratas e um bronze só em Olimpíadas, e um título (1995) e um bronze em mundiais, além de tudo isso, possuem grande talento obviamente. Andrea Lekic é o destaque da Sérvia na competição, e pela Coréia, vale ficar de olho na boa jogadora Ryu.


Coréia do Sul x Sérvia (Segunda, 17:45)

As sérvias donas da casa terão uma pedreira para se manterem vivas na competição, a Coréia do Sul disputa (atualmente) com o Brasil o posto de melhor seleção não-européia, e o nível de ambas é lá no alto. No ano passado as asiáticas foram 4° lugar em Londres, enquanto isso, a Sérvia assistiu em casa suas rivais montenegrinas conquistarem a prata, por isso, desejam medalhar nesse mundial para afastar a sombra de que o país vizinho (e pouco tempo atrás território único de “Sérvia e Montenegro”) é superior no esporte. Porém, em minha opinião não vai ser desta vez não, as coreanas são frias, não se abalam com o calor da torcida adversária, e também estão buscando melhorar a posição do mundial passado, onde foram eliminadas por Angola nessa mesma fase, e claro, possuem tradição de 2 ouros, 3 pratas e um bronze só em Olimpíadas, e um título (1995) e um bronze em mundiais, além de tudo isso, possuem grande talento obviamente. Andrea Lekic é o destaque da Sérvia na competição, e pela Coréia, vale ficar de olho na boa jogadora Ryu.


Nenhum comentário:

Postar um comentário